.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Jesus e a marcha da deformidade espírita (Jorge Hessen)

Jorge Hessen


É comum localizamos em nossas hostes doutrinárias alguns confrades agindo semelhantes aos “crentes evangélicos” (da ala neopentecostal), talvez por “olho gordo”, exaltando inflamados o “nome” Jesus, a “imagem” do Crucificado, a “personalidade” do Messias, quase sempre sob argumentos desprovidos de coerência, comprovando desconhecimento dos códigos morais do Evangelho racionalmente explicados por Allan Kardec e os espíritos superiores. 
Por causa do “cristianismo” arcaico, a figura de Jesus se caracteriza por debilitada representação simbólica e, como sabemos, todo símbolo que passa do tempo fica enferrujado, desgastado e perde a sua essência e sentido. É óbvio que reverenciamos o excelso valor de Jesus e O defendemos enquanto Verdade Maior, porém, sem afastar um milímetro da lógica kardequiana. 
Encontramos no M.E.B. (movimento espírita brasileiro) muitos “espíritas” de sacristia, como dizia Arnaldo Rocha, ou seja, espíritas “rezadores” (artificiais e dissimulados), que muito reza (tagarelando) e não se cuida da própria honra.
Conhecemos embustes de oradores que falam apaixonadamente sobre Jesus (chegam a chorar de emoção), que discursam sobre o valor da monogamia, na união familiar, todavia fazem andar a “fila” das esposas. Há ilustres palestrantes “espíritas” que insistem nos temas repetitivos, sempre sob a lideranças dos agenciadores de seminários improdutivos. Nessa inadvertência seguem algumas federativas (mal dirigidas) que insistentemente promovem congressos inócuos, pobres de conteúdos e onerosíssimos (não gratuitos) sempre destinados aos espíritas endinheirados.
Em tais eventos (congressos soberbos e inóxios) expõe-se temas evangélicos recorrentes, desgastados, abarrotados de trivialidades e lugares comuns, defendidos com afetação e tradicionalíssimas vozes veludíneas banhada de camuflada emoção veiculadas por intocáveis palestrantes sacralizados, santificados e “insubstituíveis” ante os apelos idolátricos da frenética e delirante caravana de “espiritólicos”.
Aliás, não obstante “carismáticos”, há oradores endeusados que fazem das palestras proferidas e a fama obtida nos escombros reivindicatórios da extravagante multidão de “espiritólicos”, uma execranda máquina de fazer dinheiro. Sim! São os confrades vendilhões do Espiritismo. 
Neste cenário ainda há espaço para identificarmos “espíritas oba-oba”, espalhafatosos, recheados de fraternidade de boteco, sorrisos maquinais, comportamentos que contrastam com a simplicidade cristã. Isso tudo sem aprofundarmos nas práticas de diretores de órgãos oficiais (federativas) que se esgrimam (mentalmente) pela caça do poder de direção do M.E.B., totalmente distantes do exemplo edificante da humildade. Tais líderes intransigentes traem a si, aos amigos, ao M.E.B. e ao Espiritismo.
Certificamos que o caminho do M.E.B. tem sido de duas vias: uma é ocupada pela chamada liderança oficial, dos espíritas autócratas, cheios de “não me toques”, repletos de salamaleques; a outra via é ocupada pelos espíritas “combativos” do bem, fieis a Kardec, lealdade essa que nada tem a ver com extremismo ou intolerância, mas compromisso com a verdade. 
Os “combativos” fazem o trabalho de azorragar a “oficialidade”, de fustigar os eternos “donos” do M.E.B. para não os deixar comodamente em “berço esplêndido” sob os narcóticos da ilusão. Os “combativos” de Kardec são, por isso, mal vistos e execrados permanentemente, tidos como desagregadores , mas são eles que agem com a coragem e virilidade necessária para evitar a perda total de uma doutrina tão cara à humanidade.
Quando se trata da moral, Jesus é o grande exemplo. Quando se trata de conhecimento espírita, Kardec é a verdade. Não pode haver mais espaço para o estereótipo de um Jesus decrépito, idolatrado, da tradição arcaica, pois o Espiritismo fez avançar no conhecimento de modo que sem o Espiritismo Jesus permanece no estado da incompreensão e da superficialidade do simbolismo sectário. 
Portanto, jamais pode haver espaço para um Espiritismo segundo o Evangelho, pois o evangelho não pode explicar o Espiritismo ; ao contrário, apenas o Espiritismo pode explicar o evangelho. Como me ensinou um atilado espírita de vanguarda. 
O futuro do Espiritismo está fixado nesse quadro contemporâneo, das lutas entre os que defendem os princípios kardequianos e os fracos, que mais se importam com os aplausos da plateia, com os resultados que agradam à audiência e os transformam famosos. A luz intensa da verdade os incomoda, daí a preocupação em defenderem-se para não perder o comando. Desfiguram o Espiritismo para se manterem na posse do “movimento espírita oficial”. 
Cabe aos impávidos “combativos” do bem se contraporem a isso, mesmo sabendo que a luta é inglória sob o aspecto da capacidade de deter a marcha do embuste doutrinário. Mas como Jesus foi desfigurado e ainda se mantém deformado enquanto amor sem igual, o Espiritismo prosseguirá em sua desfiguração contínua, mas ao mesmo tempo se manterá firme e forte enquanto conhecimento fundamental para o despertamento da consciência humana.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

COISAS E PASSES


Luiz Carlos Formiga

“O número de enfermidades, essencialmente orgânicas, sem interferências psíquicas, é positivamente diminuto”. Emmanuel (*)

“O passe, tal como terapia, não modifica necessariamente as coisas, para nós, mas pode modificar-nos a nós em relação às coisas.” Disse o médium Francisco Cândido Xavier.
Dependentes de drogas podem ser beneficiados. Precisam pensar em mudanças.
“Na aplicação do passe não se fazem necessários gesticulação violenta, respiração ofegante ou bocejo contínuo. Não há necessidade de tocar o assistido. O passe é prece, concentração e doação. Por questão de bom senso, o passe deverá sempre ser ministrado de modo silencioso, com simplicidade e naturalidade. Jesus utilizou o passe impondo as mãos sobre os enfermos. Ensinou essa prática aos seus discípulos e apóstolos, que também a empregaram largamente nos tempos apostólicos.” (1)
 Diz o mentor de Chico Xavier: “quando oramos uns pelos outros, nossas mentes se unem, no círculo da intercessão espiritual, e, embora não se verifique o registro imediato em nossa consciência comum, há conversações silenciosas pelo sem-fio do pensamento.” (*)
O escritor Jorge Hessen (1) comenta “ginásticas pedantes e caricatas de tratamentos “espirituais” praticados em algumas instituições espíritas mal administradas.”
Diz que ouviu em Brasilia “que a aplicação do passe quando “concentrado" (concentrado???....!!!) e muito demorado pode causar "congestionamento fluídico” (congestionamento fluídico???...!!!) e com isso o assistido pode se sentir mal (sentir mal???...!!!) Acredite se puder!”
Na década de 1980, participamos de um vídeo. De minha parte, deveria oferecer ligeira ideia sobre o tratamento “auxiliar”, num Centro Espírita. Veja, quando puder. (2)
Apoiada na vertente espiritualista da ciência, a Pedagogia Regeneradora conceitua o homem como ser de natureza biológica, psicológica, social e espiritual, dotado de historicidade e de livre arbítrio, encontrando-se em contínuo processo evolutivo. Aprendemos que o espírito é o agente que direciona toda a organização biológica, embora possa ser influenciado por ela.
Surge assim o compromisso com a formação integral do homem, porque seus conteúdos valorizam a grandeza do espírito imortal, seus métodos e técnicas valorizam a essência do ser. Diferente do homem de ciência que vive no amanhã para favorecer o presente, a ação educadora, atuando no espírito, trabalha o presente para melhorar o futuro.
A Revista Internacional de Espiritismo, junho de 1999 publicou “Vôo da Liberdade, vôo de uma alma”. O centro espírita Irmão Samaritano (CEIS) reuniu ex-usuários de drogas, seus familiares, espíritas profissionais de saúde  e produziu um documentário multidisciplinar. Nele percebemos a complexidade do problema. (3) O “tráfico é uma espécie de animal monstruoso de mil tentáculos e mil cabeças, espalhados pelo mundo”.
 Verificamos hoje que as conquistas científicas e tecnológicas não foram capazes de ocupar o vazio existencial criado na civilização ocidental. Esta ausência de sentido para a vida é encontrada nas pessoas que procuram o suicídio, como solução.
A versão moderna da antiga técnica de imposição de mãos é rotulada como “Toque Terapêutico”. Vamos encontra-la na formação avançada em enfermagem, numa universidade católica. (4)
Em maio de 1998, recebemos uma série de perguntas feitas por universitários. Algumas delas: o que é ser médium? Todos somos médiuns? Como desenvolver esta faculdade? O que dizer dos médiuns que cobram consultas? O que é um médium de cura? Qual finalidade da existência de médiuns curadores? É normal que médiuns utilizem instrumentos cirúrgicos? Podemos obter curas unicamente por meio da prece? (5)
Nossas respostas procuraram a concisão, seguindo a mesma orientação do vídeo-documentário. Por hora, enfatizaremos a última questão, curar por meio da prece.
Sim, “nós podemos”. No entanto, é necessário considerar que os Espíritos possuem outros elementos de avaliação, e, que o real benefício pode estar em sofrer por mais tempo. “Deus e linhas tortas”.Alguns falam em “fundo do poço”. Isso pode levar a falsa conclusão de que a prece não foi ouvida.
A experiência demonstrou que, mesmo entre os melhores dotados, não há curadores universais. A mediunidade curadora é uma aptidão, porém o resultado efetivo independe da vontade do médium. (6)
“Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros para que sareis.” (Tiago, 5:16)
“A cura jamais chegará sem o reajustamento íntimo necessário, e quem deseje melhoras positivas, na senda da elevação, aplique o conselho de Tiago, nele possuímos remédio salutar para que saremos na qualidade de enfermos encarnados ou desencarnados.”(*) Lembrou dos Alcoólicos Anonimos? (7)
Joanna, no livro Conflitos Existenciais, diz que “receber a bioenergia, diante dos distúrbios da emoção, é de inadiável importância, destacando-se o concurso de pessoas abnegadas e saudáveis física e moralmente, como portadoras da doação. Jesus utilizava-se do denominado toque curador, descarregando naqueles que O buscavam as sublimes energias de que era portador.” (8)
"Há tanta coisa entre o Céu e a Terra que mal pode sonhar nossa vã filosofia". Há tanta coisa para explicar que vai do Toque Terapêutico ao procedimento cirúrgico, realizado por um médico do outro mundo!
Publiquei na Revista de Enfermagem (UERJ, RJ, 4(1): 89-102, 1996) uma petição, escrita em 1992, enquanto “paciente terminal”. Vejamos um pequeno trecho,
Aos membros da equipe de saúde, quero lembrar não só as necessidades psicobiológicas (eliminação intestinal, vesical, conforto físico, etc.), mas as necessidades psicossociais (comunicação, recreação, privacidade, etc.) e as psicoespirituais. Praticar a minha” religião”, receber a terapêutica do passe é para mim não só uma necessidade, mas um direito. O passe está para o psiquismo assim como a transfusão de sangue está para o organismo. (9)
A incredulidade já foi desafiada por um espírito desencarnado materializado. Incrível! Foi o que disse uma estudante de medicina, após o relato da cirurgia espiritual cardíaca. Não há dúvidas da existência de uma face oculta na medicina (10, 11, 12)
Extraordinária é a evolução da ciência biomédica. Hoje vivenciamos o nascimento de uma criança saudável, gerada através da inseminação artificial, a partir de mãe com útero transplantado. Os cirurgiões veteranos estavam chorando, quando a criança nasceu. (13)
Os médicos do outro mundo  não utilizam instrumentos materiais nas cirurgias. Na pintura mediúnica espíritos não usam pincéis. Outros trocaram o lápis pelo computador ou celular.
O espírito RAUDIVE usou o telefone celular. A comunicação foi estudada por Professor de Engenharia e Tecnologia, especialista em telefonia e acústica. Concluiu-se depois da investigação criteriosa das vozes gravadas que as vozes dos espíritos são diferentes das humanas.
 “O auto-espectrum da palavra "RAUDIVE", falada pelo pesquisador, contem o componente fundamental de 111hz, que é valor próximo das estatísticas em telefonia, enquanto que a palavra "RAUDIVE" falada pelo espírito destaca os componentes de 666 hz e 1428 hz, nos dois telefonemas registrados. Por hipótese de trabalho, configura uma origem para essas vozes não coincidente com a voz de uma anatomia humana, conforme conhecemos."
Allan Kardec discute as curas produzidas por Jesus no livro "A Gênese".
Conforme relatório da Organização Mundial de Saúde 10 a 20 milhões de pessoas no mundo tentam se suicidar. O Brasil está entre os dez países com maior número absoluto de suicídios. Somente uma dor muito profunda pode explicar o suicídio entre os espíritas, pois estão de posse do conhecimento da imortalidade da alma e do sofrimento de estar ligado a um corpo sem vida.
Nos dias de “baixo astral” procure um Centro Espírita, bem administrado, e “tome” um passe.

(*) Livro “Vinha de Luz”, lição 157. “O remédio salutar”. FEB.
Leia mais.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Jesus é a sublime síntese do Amor (Jorge Hessen)


Jorge Hessen

O Divino Mestre sempre enviou seus emissários para instruir povos, raças e civilizações com conhecimentos e princípios da lei natural. Além disso, há dois milênios, veio pessoalmente sancionar os conhecimentos já existentes, deixando a Boa Nova como patrimônio para toda Humanidade.
Observando o fluxo histórico dos povos, raças e civilizações identificamos que em todos os tempos houve missionários, fundadores de religião, filósofos, Espíritos Superiores que aqui encarnaram, trazendo novos conhecimentos sobre as Leis Divinas ou Naturais com a finalidade de fazer progredir os habitantes da Terra. Porém, por mais admiráveis que tenham sido esses apóstolos, nenhum se iguala ao Soberano Governador da Terra. Até mesmo porque todos eles estiveram a serviço do Mestre Incomparável, o Guia e Modelo do homem neste mundo de prova e expiação.
Kardec, na introdução de O Evangelho Segundo o Espiritismo, escolhe o Ensino Moral das Escrituras, porque não está afeito a controvérsias, podendo inclusive unir todas as crenças em torno da sua proposta universalista. Na Terra, onde se multiplicam as conquistas da inteligência e fazem-se mais complexos os quadros do sentimento conspurcado no materialismo, compreendamos que o Cristo, na trajetória da Humanidade, foi o único mestre completo, exato e inquestionável, que abdicou do convívio com os seres celestiais para viver e coexistir conosco na carne.
Nos tempos áureos do Evangelho o apóstolo Pedro, mediunizado, definiu a transcendência de Jesus, revelando que Ele era "o Cristo, o Filho de Deus vivo" . No século XIX o Espírito de Verdade atesta ser Ele "o Condutor e Modelo do Homem". Para o célebre pedagogo e gênio de Lyon, o Cristo foi "Espírito superior da ordem mais elevada, Messias, Espírito Puro, Enviado de Deus e, finalmente, Médium de Deus." Não há dúvidas que Jesus foi o Doutrinador Divino e por excelência o "Médico Divino”, segundo André Luiz.  Por sua vez, Emmanuel o denomina de "Diretor angélico do orbe e Síntese do amor divino".
Quando o Codificador questionou os Espíritos sobre quem teria sido o ser mais evoluído da Terra, recebeu uma resposta tão curta quanto profunda: "Jesus!". Sua lição é não só a pedra angular do Consolador Prometido, da Doutrina dos Espíritos, mas a régua de medida, o referencial universal com que aferiremos o nosso proceder, o nosso avanço ou o nosso recuo no processo de espiritualização que nos propusermos: a visão real do que somos no íntimo de nossa consciência e quão perto ou distante estejamos do incondicional Amigo e   Mestre que nos exorta a amarmos uns aos outros como Ele nos amou.
Adorado por uns, execrado por outros, indiferente para muitos, o Crucificado deixou ensinamentos muito singelos, porém profundos, Ele aplicou a filosofia que difundia, desconcertando os inimigos gratuitos, recebendo apoios no povo e confundindo os restantes. Aos Espíritas sinceros cumpre não perder de vista essa realidade de suma importância - a total vinculação do Espiritismo com os ensinos do Filho do Homem, com o Cristianismo primitivo, pela base moral comum a ambos, sem desvios impostos pelo interesse dos religiosos infiéis.
O Desejado das Nações vigia e cuida a nau terrestre e se compadece de cada um de nós, facultando-nos vários recomeços para conquista definitiva da paz. Cada palavra que o Bom Pastor plasmou na atmosfera terrena dirige-se a todos nós, ontem, hoje e sempre independentemente de onde possamos estar ou do que fazemos.
O Príncipe da Paz transcende as dimensões de toda análise convencional e paira muito além do grau de desenvolvimento científico, moral ou espiritual de qualquer representante dos mais renomados intelectuais humanos, porquanto Ele foi, é e sempre será o construtor excelso do nosso planeta, quando sequer a vida existia nas plagas do orbe.

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

A dor é o chamamento ao cultivo do amor (Jorge Hessen)


Jorge Hessen

" A dor é o aguilhão que o impele para a frente, na senda do progresso"[1]Entendemos que a dor seja o medicamento que solicitamos na fronteira da experiência terrestre. Sim! Espíritos doentes e endividados que somos, imploramos, antes do berço, as dores e as provações capazes de propiciar-nos o regozijo da cura e a benção do resgate. Portanto, as dificuldades são benfeitoras do coração. Aceitemo-las no caminho, com o equilíbrio da resignação que tudo abrange para tudo auxiliar e expurgar, na marcha de nossa via crucis.
A dor , seja física ou espiritual, é sofrida por quem a provoca e que jamais bate em porta errada. Não há razão, em hipótese alguma, atribuir a terceiros a culpa de nossas dores, pois que elas resultam das atitudes, dos procedimentos, das ações praticadas contra as leis divinas. Para aliviá-la existe a necessidade de assumirmos a responsabilidade de uma mudança comportamental, que sempre pode libertar-nos da dor, quando bem realizada segundo padrões éticos/morais cristãos.
As provações da vida fazem adiantar quem as sofre, quando bem suportadas; elas apagam as faltas e purificam o espírito faltoso”.[2] Quando a dor chega, ninguém permanece indiferente, não importando suas causas. Por vezes, chega através da doença física, minando a saúde antes inabalável. De outras, é a dor da separação do ente amado que desencarna.
De toda forma, não importando por quais caminhos a dor nos visite, sempre é presença contundente, alterando-nos as paisagens emocionais. Ela sempre traz consigo seu caráter pedagógico, em um convite ao cultivo das virtudes que ainda não nos dispusemos a acionar.  “As provas rudes são quase sempre indício de um fim de sofrimento e de um aperfeiçoamento do Espírito, quando aceitas com o pensamento em Deus”.[3]
Há três categorias de dor: a dor-evolução, a dor-expiação e a dor-auxílio. A dor-evolução atua de fora para dentro, aprimorando o ser, e sem ela não haveria progresso. A dor-expiação vem de dentro para fora, marcando a criatura no caminho dos séculos, detendo-a em complicados labirintos de aflição, para regenerá-la, perante a Justiça. Quanto à dor-auxílio, pela intercessão de amigos devotados à nossa felicidade e à nossa vitória, recebemos a bênção de prolongadas e dolorosas enfermidades no envoltório físico, seja para evitar-nos a queda no abismo da criminalidade, seja, mais frequentemente, para o serviço preparatório da desencarnação, a fim de que não sejamos colhidos por surpresas arrasadoras, na transição da morte. [4]
O enfarte, a trombose, a hemiplegia, o câncer penosamente suportado, a senilidade prematura e outras calamidades da vida orgânica constituem, por vezes, dores-auxílio, para que a alma se recupere de certos enganos em que haja incorrido na existência do corpo denso, habilitando-se, através de longas reflexões e benéficas disciplinas, para o ingresso respeitá­vel na Vida Espiritual. [5]
A oração habitual, o comportamento retificador, o descortino mental e o bem que se pode patrocinar ao próximo, retratam as atitudes inteligentes daqueles que almejam o bom aproveita­mento da dor no processo de evolução .

Referências bibliográficas:
[1]            KARDEC , Allan . A Gênese, Cap. III, item 5, RJ: Ed. FEB 2001
[2]            KARDEC , Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo”, cap. V, item 10, RJ: Ed. FEB 2001
[3]            Idem cap. XIV, item 09, RJ: Ed. FEB 2001
[4]            XAVIER, Francisco Cândido. Ação e Reação, ditado pelo Espírito André Luiz, cap. 19, RJ: Ed. FEB 1959
[5]            Idem




terça-feira, 28 de novembro de 2017

O passe não modifica as coisas, para nós, mas pode modificar-nos a nós em relação às coisas (Jorge Hessen)


Todo o encanto dos ensinos espíritas, oriundo da fé racional considerando o potencial do magnetismo pelo passe, desaparece ante as ginásticas pedantes e caricatas de tratamentos “espirituais” ultimamente praticados em algumas instituições espíritas mal administradas.
Dos muitos disparates que já ouvi nas hostes espíritas de Brasília, um deles é que a aplicação do passe quando “concentrado" (concentrado???....!!!) e muito demorado pode causar "congestionamento fluídico” (congestionamento fluídico???...!!!) e com isso o assistido pode se sentir mal (sentir mal???...!!!) Acredite se puder!
Ora, na aplicação do passe oferecido numa casa espírita bem dirigida, os Benfeitores manipulam e espargem os fluidos exatamente na quantidade necessária para cada assistido, nem mais, nem menos. Nunca em excesso.
O passe não poderá, em tempo algum, ser aplicado com movimentos bruscos, com malabarismos manuais, estalos de dedos, cânticos estranhos e, muito menos ainda, com passistas incorporados com “aconselhamentos” para o assistido.
Por conseguinte, na aplicação do passe não se fazem necessários a gesticulação violenta, a respiração ofegante ou o bocejo contínuo, e que também não há necessidade de tocar o assistido. A transmissão do passe dispensa qualquer recurso espetacular.
São ridículas as encenações preparatórias com as mãos erguidas ao alto e abertas, para suposta captação de fluidos pelo passista, mãos abertas sobre os joelhos, pelo paciente, para “melhor assimilação” fluídica, braços e pernas descruzados para não impedir a livre passagem dos fluidos, e assim por diante – só servem para achincalhar o passe, o passista e o paciente.
A transfusão sanguínea promove a renovação das forças biológicas. O passe é transfusão de energia psíquica e magnética. A diferença é que os recursos sanguíneos são extraídos de um reservatório limitado, mas os elementos psíquicos são retirados do reservatório interminável das forças espirituais.
A transfusão ocorre através do períspirito, órgão sensitivo do Espírito, que interage de forma profunda com o corpo biológico, razão pela qual as energias psíquicas, transmitidas pelo passe e recebidas inicialmente pelos “centros de força”, alcançam o corpo físico através dos “plexos”, proporcionando a renovação das células enfermiças. As energias psíquicas poderão ser espirituais, considerando o magnetismo advindo dos desencarnados que participam dos processos, e fluidos humanos, através do magnetismo animal pertencente aos passistas encarnados.
O passe é prece, concentração e doação. A oração é prodigioso banho de forças, tal a vigorosa corrente mental que atrai. Por ela, consegue o passista duas coisas importantes: primeiro, expulsar da mente os sombrios pensamentos remanescentes da atividade comum das lutas materiais diárias; segundo, sorver do plano espiritual as substâncias renovadoras a fim de conseguir operar com eficiência em favor do próximo.
Por questão de bom senso, o passe deverá sempre ser ministrado de modo silencioso, com simplicidade e naturalidade. Todo o potencial e toda a eficácia do passe genuinamente espírita dependem do espírito e da assistência espiritual do passista e não apenas do passista. Jesus utilizou o passe "impondo as mãos" sobre os enfermos, a fim de beneficiá-los. E ensinou essa prática aos seus discípulos e apóstolos, que também a empregaram largamente nos tempos apostólicos.
Vale relembrar aqui que apesar dos estranhos passistas que criam confusões ao aplicarem o passe, reconhecemos que muitos encarnados e desencarnados são beneficiados pela transfusão dos fluidos psíquicos, pois sabemos que é manifestação do amor de Deus, esse sentimento sublime que abarca a todos e os alivia.

Importa-nos lembrar, porém, um pensamento de Chico Xavier: o passe, tal como terapia, não modifica necessariamente as coisas, para nós, mas pode modificar-nos a nós em relação às coisas.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

A criança livre é a semente do malfeitor (Jorge Hessen)

A criança livre é a semente do malfeitor

Jorge Hessen

Bethany Thompson lutou contra um câncer no cérebro quando tinha apenas 3 anos de idade, e sobreviveu. A cirurgia que retirou o tumor foi um sucesso, mas deixou uma pequena sequela em seu rosto: a boca ficou levemente repuxada para a direita. Isso foi suficiente para ela se tornar alvo de comentários maldosos de outras crianças na escola. Bethany, 11 anos de idade, sofria bullying implacável na escola, até que chegou a um ponto em que não suportou mais e tirou a própria vida com um tiro. [1]

Caso semelhante ocorreu no Colégio Holy Angels Catholic Academy, em Nova York, Estados Unidos. Aí estudava Daniel Fitzpatrick, um aluno de 13 anos, que estava sofrendo bullying. Resultado: Daniel acabou se suicidando. Deixou uma carta de despedida e dentre outros bramidos de dor moral escreveu: "Eu desisto"! Disse ainda que os seus colegas da escola o atormentavam há muito tempo e a direção do colégio não fazia nada a respeito, mesmo após ele e os seus pais terem feito uma reclamação formal. A resposta do Holy Angels teria sido "Calma, tudo vai ficar bem. É só uma fase, vai passar".

Como esquecermos a chacina na Escola Municipal Tasso da Silveira, de Realengo, na cidade do Rio de Janeiro, em que meninos e meninas ficaram irmanados num trágico destino. Suas vidas foram prematuramente ceifadas num episódio de insonhável bestialidade. O assassino Wellington Menezes de Oliveira, embora com a mente arruinada e razão obliterada, fez sua opção de atirar contra os alunos que o incomodavam. Numa fita gravada, Wellington alegou ter sofrido bullying anos antes, na mesma escola; neste caso houve uma reação violentíssima.

O bullying é uma epidemia psicossocial e pode ter consequências graves. O que, à primeira vista, pode parecer um simples apelido inofensivo pode afetar emocional e fisicamente o alvo da ofensa. Crianças e adolescentes que sofrem humilhações racistas, difamatórias ou separatistas podem ter queda do rendimento escolar, somatizar o sofrimento em doenças psicossomáticas e sofrer de algum tipo de trauma que influencie traços da personalidade.

Os fatos, chocantes e tristes, trazem dois alertas a todos os pais e mães: o primeiro deles é estar atento às mudanças de comportamento dos filhos e buscar ajuda profissional sempre que necessário. O segundo alerta é falar com o filho sobre o respeito às diferenças. Ensinar sobre diversidade e tolerância. Essas lições, quando assimiladas desde cedo, formam pessoas mais empáticas e sensíveis à dor do outro – além, é claro, de evitar comportamentos agressivos como o bullying.

Urge estabelecer limites aos nossos filhos. Desde os primeiros anos, devemos ensiná-los a fugir do abismo da liberdade, controlando-lhe as atitudes e concentrando-lhe as posições mentais, pois que essa é a ocasião mais propícia à edificação das bases de uma vida. Os filhos, quando crianças, registram em seu psiquismo todas as atitudes dos pais, tanto as boas quanto as más, manifestadas na intimidade do lar. Por esta razão, os pais devem estar sempre atentos e, incansavelmente, buscando um diálogo franco com os filhos, sobretudo amando-os, independentemente de como se situam na escala evolutiva.

Crianças criadas dentro de padrões de liberalidade excessiva, sem limites, sem noções de responsabilidade, sem disciplina, sem religião e muitas vezes sem amor, serão aquelas com maior tendência aos comportamentos agressivos, tais como o bullying, pois foram mal-acostumadas e por isso esperam que todos façam as suas vontades e atendam sempre às suas ordens.

Por isso mesmo, importa ensinar a criança a fugir do abismo da liberdade, controlando-lhe as atitudes e concentrando-lhe as posições mentais, pois a infância é a ocasião mais propícia à edificação das bases de uma vida. A criança livre é a semente do malfeitor. A própria reencarnação se constitui, em si mesma, restrição considerável à independência absoluta da alma necessitada de expiação e corretivo.

Pensemos nisso!

Referência:

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

NÃO LER KARDEC ESTÁ A CONDUZIR O MOVIMENTO ESPÍRITA AO DESCALABRO



Margarida Azevedo
-Portugal-

”Por outro lado, creiam que se a verdade nem sempre é apreciada pelos indivíduos, ela é-o sempre pelo bom senso das massas, o que também é um critério. (…) repilam impiedosamente todos esses Espíritos que se apresentam como conselheiros exclusivos e pregam a divisão e o isolamento. São quase sempe Espíritos vaidosos e medíocres, que tentam impor-se às pessoas fracas e  crédulas, prodigalizando-lhes louvores exagerados, a fim de os fascinar e manter sob o seu domínio.(…) Por outro lado, tenham presente que quando uma verdade tem que ser revelada à humanidade, ela é, digamos, instantaneamente comunicada em todos os grupos sérios que possuam médiuns sérios, e não a  este ou àquele, por exclusão dos outros. (…) há claramente obsessão quando um médium só recebe comunicações de um determinado Espírito, por mais elevado que este pretenda colocar-se. Assim, todo o médium e todo o grupo que se tenham como privilegiados pelas comunicações que só eles podem receber, e que, por outro lado, estão sujeitos a práticas que tocam a superstição, estão, indubitavelmente, sob o efeito de uma obsessão bem evidente, (…).”(1)

Foram-se os tempos áureos do movimento espírita em Portugal. Instaurou-se um clima de desentendimento e desconfiança, totalmente antagónico às belas palavras das sessões de evangelização. Os clássicos da Doutrina são letra morta. Os tempos agora são outros. São aceites psicografias cheias de erros, tornando inquestináveis os seus textos, desenvolveu-se um clima de anti-criticismo incompatível com o convite à razão como fundamento da fé, o qual Kardec não se cansou de advertir: “A fé inabalável é somente aquela que pode encarar a razão, face a face, em todas as épocas da humanidade.” (2). Com isto, cresce o número dos que têm medo de falar, os que, à boca pequena, rejeitam o que outros aceitam e tentam impor.

Por outro lado, há uma subversão das leituras de outros autores, para quem as faz, procurando nelas um elo de continuidadade, e mesmo justificação, do que é dito no Espiritismo. Veja-se, por exemplo, a avaliação depreciativa das correntes filosóficas e da Teologia, o desconhecimento total de Exegese e Cristologia, rejeitando tais assuntos simplesmente porque não são de autores espíritas ou porque, o que é pior, nada têm a acrescentar à Doutrina.

Desconhecendo o que seja honestidade intelectual, subvertem conhecimentos fundamentais a qualquer crente, independentemente da sua fé, remetendo-os para o baú das inutilidades. Assim, consideram o Espiritismo auto-suficiente, as demais doutrinas como descabidas e, muito embora a Codificação diga que todos somos médiuns, só é verdadeiro o que acontece no Centro espírita. Nem o próprio Kardec o afirmou. Ao considerar o Espiritismo uma doutrina evolucionista, que se corrigirá onde estiver errada, defendeu humildemente que não estamos sós, quanto ao outro lado da vida, nem deste, entenda-se. Urge perceber que a sujeição de um texto a uma ideologia subverte, o que significa não ler o texto, no sentido de aprender com ele, mas esmagá-lo. Ora, fazer da nossa ideologia a única verdadeira é cair na armadilha do “já me encontrei; esta doutrina diz tudo.” É incompatível com o mundo pluralista de contágios ideológicos. O isolamento doutrinal e exclusivista conduz, inevitavelmente, à cegueira, remetendo o leitor para a mediocridade.

Há quem tenha dificuldade em perceber que: todas as doutrinas são feitas por Espíritos, deste e/ou do outro lado da vida; “ Os Espíritos do Senhor, que são as virtudes dos céus, como um imenso exército que se movimenta, ao receber a ordem de comando, espalham-se por toda a superfície da Terra.”(3).Não são as doutrinas que estão em causa, mas a Terra; o Paganismo foi a base espiritual dessas comunicações e, assim, a Dourina  Espírita tem raízes no Paganismo (importância dada a Sócrates e Platão, por exemplo) tal como o Cristianismo (o Cristianismo das origens debate-se com a articulação entre judeo-cristãos e pagano-cristãos) e o Judaísmo (a Bíblia Hebraica articula sabiamente as práticas pagãs com os ensinamentos da Tora/Lei); os problemas da humanidade não são pagãos, nem cristãos, nem de outra congregação qualquer, mas inerentes à natureza humana.; uma doutrina não se forma a partir do nada, tem que ter uma base sólida, e o Espiritismo não foge à regra (O Espiritismo encontra-se por toda a parte, na antiguidadde, e em todas as épocas da humanidade.”) (4),entende-se a manifestação dos Espíritos (a sua base); a “novidade” do Espiritismo está na  sua codificação, não nos fenómenos que lhe dão o mote para a mesma. Uma vidência será sempre uma vidência, seja qual for a fé do crente; os fenómenos são da humanidade e as doutrinas de grupos em particular. Qualquer médium, espírita ou não, tem na Codificação um códice bastante útil que o ajudará na sua prática mediúnica, mais, na sua vivência de fé… se assim o entender.

Mas outra questão mais incisiva se levanta. A confusão entre o Espírito de Verdade e os que comunicaram com os médiuns da Codificação. Vejamos: “(…) o Espiritismo não tem nacionalidade; está fora de todos os cultos particulares; não é imposto por nenhuma classe social, porque cada  qual pode receber instruções dos seus familiares e amigos  de além-túmulo.” (5), fantástico. Isto é, para lá de tudo o que se possa codificar, há um resíduo, sempre, de particularidades, subtilezas da nossa passagem por esta vida, que não são contempladas mas que são tão importantes como as outras. Por outras palavras, a Doutrina não é uma ditadura, mas, pelo contrário, um códice pleno de tolerância que não encara o não codificável como inaceitável. O individual e o particular têm lugar, voz, marcam presença.

 Por outro lado, se há diferentes categorias de mundos habitados, se o planeta terra está num dos mais elementares, provas e expiações, se não temos acesso aos Espíritos superiores, dada a nossa ignorância e natureza tão densa, então a Doutrina Espírita não é feita por altas potestades, directamente, como, aliás, nenhuma outra doutrina à face da terra. O Espírito de Verdade, essa falange grandiosa, presidiu e preside a toda e qualquer doutrina desde que para isso possua médiuns receptivos à prática do Bem. Se virmos atentamente quem são os Espíritos que comunicaram para a feitura da Codificação, temos, só para lembrar alguns, S. Luís e Sto. Agostinho; rainhas, por exemplo, uma rainha de França; Espíritos protectores, por exemplo, José; a condessa Paula, e tantos outros, basta passar os olhos pelo índice de O Céu e o Inferno(de Allan Kardec). Se fossem de uma elevação muito superior à nossa jamais poderiam comunicar com os médiuns e a própria Doutrina contradizer-se-ia a si mesma. Perceber isto passa por perceber o que é o fenómeno religioso e espiritual. Além disso, tomemos o seguinte exemplo: Uma pessoa desencarna. Porque a Espiritualidade assim o entende, seja qual for a razão, facto que nos escapa, é conduzida a um plano/planeta primitivo a fim de, juntamente com outros trabalhadores, ajudar os seus habitantes no progresso espiritual. Para estes, essa pessoa é considerada como uma Entidade de luz porque, comparativamente, possui algum esclarecimento que eles ainda não têm. Mas ele não é de luz, obedece a uma força superior que supervisiona o grupo. A pessoa que foi daqui pertence apenas a um grau acima, nada mais. Não é por acaso que aprendemos que “Não farás para ti imagem esculpida de nada que se assemelhe ao que existe lá em cima nos céus, ou embaixo na terra, ou nas águas que estão embaixo da terra. Não te prostarás diante desses deuses e não os servirás(…)”. (Bíblia de Jerusalém, Êx 20: 3-5). Ou seja, libertos de ídolos, não caímos na falsidade e na escravização da fé, prostrando-nos perante seres em tudo semelhantes a nós. A fé em Deus não é degradante nem esclavagista nem submissora.

Aprendemos na Bíblia Hebraica que Deus manifesta-se onde, quando e através de quem muito bem entende. Deus não procura os que, do ponto de vista humano, são os melhores. Somos a par e passo confrontados com a ilogicidade dos nossos raciocínios. A liberdade da fé é a antítese da idolatria (os profetas não são ídolos), e os nossos erros não nos vedam a Deus, conduzem-nos a Ele, tal como a doença ao médico (por isso Jesus disse que não são os sãos que precisam de médico - Mt 9:12; Mc 2:17; Lc 5:31). Os Espíritos que presidiram à Codificação, tal todos os que na humanidade se manifestaram ao longo da história, são em tudo iguais a nós. Eles viveram no mundo, são do mundo e compreendem o mundo; vieram dar testemunho de como algumas coisas funcionam do outro lado da vida, mas dentro da sua humanidade, obedecendo a ordens precisas. E nisto consiste a grande riqueza de ser humano: na nossa tão grande ignorância temos momentos em que somos capazes de altruísmo, partilha de experiências e, com isso, evoluir.
Não é de heróis que a espiritualidade se faz, nem adorar a Deus é um acto heróico. A procura de superioridades neste mundo já é, por si só, obsessiva. Temos direito às nossas opiniões, temos direito de seguir o nosso caminho, mas não temos o direito de excluir ninguém simplesmente porque nos faz pensar no que ainda não tínhamos pensado, veste outra roupagem, fala outra línguagem.
Quanto a nós, o Espírito de Verdade não se define. Assim, baseando-nos exclusivamente na Codificação, para os que defendem que é Jesus, o Cristo, dizer que se manifestou directamente aos médiuns é uma anedota; para os que dizem que é uma plêiade superior, a mesma coisa. Para nós, porque a História tal nos ensina, e fazendo jus à tradição, os Espíritos enviados falaram em nome de quem os enviou, tal como na Antiguidade os discípulos falavam/redigiam tomando o nome dos seus mestres. Na feitura da Codificação, alguém falou em nome de Alguém, não o próprio. Isto em nada Lhe retira mérito, pelo contrário, coloca-O no seu devido lugar: muito acima de nós. Grande é a Graça se conseguirmos fazer parte dos servos de Deus, aqui, neste planeta de… alguma humanidade. Kardec é um desafio para todos aqueles que querem humanizar-se na directa medida em que se sentem habitantes do cosmos em expansão, o multiverso incomensurável acima a para além das nossas cabeças. E de expansão permanente Allan Kardec aprendeu e transmitiu: “Há, entretanto, uma coisa que a vossa razão deve indicar: é que Deus, modelo de amor e de caridade, jamais esteve inactivo.” (6) Estude Kardec. Olhe que vale a pena.
Margarida Azevedo

 (1)“D´un autre côté, croyez bien que si la vérité n´est pas toujours apprécié pas les individus, elle l´est toujours par le bom sens des massses, et c´est encore là un critérium. (…) Repoussez impitoyablement tous les Esprits qui se donnent comme conseils exclusifs, en prêchan la division et l´isolement. Ce sont presque toujours des Esprits vaniteux et médiocres, qui tendent à s´imposer aux homes faibles et crédules, en leur prodiguant des louanges exagerées, afin de les fasciner et de les tenir sous leur domination. (…) D´un autre côté, croyez bien que lorsqu´une vérité doit être révélée à l´humanité, elle est pour ainsi dire instantanément communiquée dans tous les groupes sérieux qui possèdent de sérieux médiuns, et non pas à tels tels, à l´exclusion des autres. (…) et il y a obsession manifeste lorsqu´un medium n´est apte qu´à recevoir les communications  d´un Esprit special, si haut  que celui-ci  cherche à se placer lui-même. En conséquence, tout médium, tout group qui se croient privilégiés par des communications que seuls ils peuvent recevoir, et qui, d´autre part, sont assugettis à des pratiques  qui frisent la superstition, sont indubitablement sous le coup d´une obsession des mieux caractérisées, (…).”    KARDEC, A., L´Evangile selon le Spiritisme, cap. 21,10. Les faux prophètes de l´erraticité, pp. 320-321. (1)

 (2)”Il n´y a de foi inébranlable que celle qui peut regarder la raison face à face, à tous les ages de l´humnité.” Idem, p.0

(3)” Les Esprits du Seigneur, qui sont les vertus des cieux, comme una immense armée qui s´ébranle dès qu´elle en areçu le commandement, se répandent sur toute la surface  de la terr;” idem, Préface.
(4)” Le Spiritisme se retrouve partout, dans l´antiquité et à tous les âges de l´humanité, idem,“Introdution, I. But de cet ouvrage, p. 15
(5)“(…) le Spiritisme n´a pas de nationalité; il est en dehors de tous les cultes particuliers; il n´est pas imposé par aucune classe de la société, puisque chacun peut recevoir des instructions de ses parents  et de ses amis d´outre-tombe.”, idem, Introduction, II. Autorité de la doctrine spirite, Contrôle universel de l´enseignement des Esprits,  p. 17.
(6) “Cependant, il est une chose que votre raison doit vous indiquer, c´est que Dieu, type d´amour et de chrité, n´a jamais été inactif.” KARDEC, A., Le Livre des Esprits, Les Editions Philman, Saint-Amand-Montrond, 2002, cap. II, perg. 21, p. 71.
Nota: Tradução do texto em francês por Margarida Azevedo.